COVID-19 | IAM - Fiocruz Pernambuco

Divulgação científica | Equipe IAM

  • Multiple introductions followed by ongoing community spread of SARS-CoV-2 at one of the largest metropolitan areas in the Northeast of Brazil

    Autor(a): Marcelo Henrique Santos Paiva, Duschinka Ribeiro Duarte Guedes, Cassia Docena, Matheus Filgueira Bezerra, Filipe Zimmer Dezordi, Lais Ceschini Machado, Larissa Krokovsky, Elisama Helvecio, Alexandre Freitas da Silva, Luydson Richardson Silva Vasconcelos, Antonio Mauro Rezende, Severino Jefferson Ribeiro da Silva, Kamila Gaudencio da Silva Sales, Bruna Santos Lima Figueiredo de Sa, Derciliano Lopes da Cruz, Claudio Eduardo Cavalcanti, Armando de Menezes Neto, Caroline Targino Alves da Silva, Renata Pessoa Germano Mendes, Maria Almerice Lopes da Silva, Michelle da Silva Barros, Wheverton Ricardo Correia do Nascimento, Rodrigo Moraes Loyo Arcoverde, Luciane Caroline Albuquerque Bezerra, Sinval Pinto Brandao Filho, Constancia Flavia Junqueira Ayres, Gabriel Luz Wallau.

    Resumo:

    O surgimento do vírus SARS-CoV-2 na população humana causou uma pandemia mundial que ainda está no seu curso. Vários epicentros foram e continuam a surgir em diferentes países à medida em que a pandemia avança, primeiro em Wuhan na China, seguido da Itália, Estados Unidos e Brasil. Até o momento, o Brasil é o segundo país mais afetado pela pandemia porém, sequências genômicas do SARS-CoV-2 são restritas a somente alguns estados da nação. O estado de Pernambuco, no Nordeste do Brasil, é o sexto estado com mais casos diagnosticados de SARS-CoV-2 e o segundo na taxa de letalidade. Entretanto, inexistem genomas completos de alta qualidade deste Estado. Neste trabalho foram sequenciados 38 genomas de alta qualidade do vírus SARS-CoV-2 a partir de pacientes que apresentaram sintomas da Covid-19. As análises filogenéticas revelaram 3 linhagens circulando no estado e 36 genomas pertencem a linhagem B1.1. Nós detectamos duas introduções independentes a partir de países europeus e cinco clados corroborando com a transmissão comunitária entre diferentes municípios do Estado. Por último, nós detectamos que, com exceção de apenas um genoma, todos os outros continham uma mudança de aminoácido na proteína Spike D614G que pode impactar a capacidade infectiva viral em células humanas. Nossos resultados trouxeram novos insights sobre o espalhamento das linhagens de SARS-CoV-2 em um dos estados brasileiros mais impactados pela Covid-19.

    Acesse o trabalho completo 

  • Pandemia da Covid-19 no Nordeste do Brasil: Situação Atual e Recomendações

    Breve resumo:

    O comitê foi organizado em 9 subcomitês, sendo um deles o Subcomitê 9: Epidemiologia, modelos matemáticos e medidas de enfrentamento. Considerando a grande diversidade de temas deste subcomitê, o mesmo foi organizado em dois grupos, o de epidemiologia e o de modelos matemáticos. O SC de epidemiologia é composto por quatro membros do Comitê (Mauricio Barreto, Sinval Brandão Filho, Antônio Tanta Lima e Adélia Pinheiro) ao qual se agregou um grupo de epidemiologistas da região.

    O SC de Epidemiologia focou sua ação em três grandes objetivos: 1) entender as diferenças e similaridades da epidemia nos diversos Estados da região; 2) Definir parâmetros para identificar, com maior precisão, o momento para suspensão das medidas de distanciamento social e as medidas necessárias para sua implementação; 3) verificar se a situação epidemiológica atual da epidemia permite que a flexibilização do distanciamento social seja iniciada.

    Acesse a publicação completa >>

  • COVID-19: unidades de terapia intensiva, ventiladores mecânicos e perfis latentes de mortalidade associados à letalidade no Brasil

    Autor(a): Rafael da Silveira Moreira

    Resumo: O acelerado aumento do número de casos de doença pelo novo coronavírus (COVID-19) exige que os países aumentem as vagas nas unidades de terapia intensiva (UTI). Doenças respiratórias, neoplasias, cardiopatias, hipertensão e diabetes aumentam sua letalidade. O estudo objetivou identificar tanto as regiões com as maiores taxas de mortalidade específica por essas doenças quanto as com maior escassez de UTI e ventiladores pulmonares. Foi realizado um estudo ecológico transversal, as unidades de análise foram as Regiões de Saúde no Brasil. A fonte de dados foi o Departamento de Informática do SUS - DATASUS (Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - 2019, Sistemas de Informação de Mortalidade - 2017 e Projeções Populacionais - 2017). Foram calculadas as taxas por 100 mil habitantes de mortalidade específica para hipertensão, neoplasias, diabetes, doenças cardíacas e respiratórias, leitos de UTI total, leitos de UTI privados, leitos de UTI do Sistema Único de Saúde (SUS) e ventiladores do SUS. O perfil de mortalidade foi determinado pela análise de perfis latentes, e a análise de clusters dos leitos e ventiladores foi feita pelo método de varredura espacial. Mapas de Kernel foram construídos para a visualização dos dados. O nível de significância foi de 5%. Observou-se quatro perfis latentes de mortalidade. As regiões de saúde com as maiores médias na mortalidade estão localizadas em regiões cuja escassez de leitos de UTI e de ventiladores foi visualizada, especialmente, em partes das regiões Nordeste, Sudeste e Sul. A localização espacial das regiões com maior mortalidade e com escassez de leitos de UTI/ventiladores requer a atenção dos gestores e planejadores públicos, para o enfrentamento eficiente e equânime da epidemia no Brasil.

    Acesse o trabalho completo 

  • The Endless Challenges of Arboviral Diseases in Brazil

    Autor(a): Tereza Magalhaes, Karlos Diogo M. Chalegre, Maria Cynthia Braga, Brian D. Foy.

    Resumo: Nesse Editorial, pontuamos e discutimos alguns dos grandes desafios enfrentados pela população e pelas autoridades de saúde no Brasil em relação às infecções por arbovírus, incluindo a ocorrência de epidemias simultâneas como a atual pandemia de SARS-CoV-2/COVID-19.

    Acesse o trabalho completo